Logo Unioeste
2
01 / 01

1

2

3

Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-graduação(1995 a 2011): 

A partir do reconhecimento da Universidade Estadual do Oeste do Paraná em 1994, ano em que foi deflagrado o projeto de expansão da Universidade, houve a necessidade de se implantar uma estrutura para atender a demanda da época e também projetar a Unioeste além das fronteiras regionais no âmbito do ensino, da pesquisa e extensão. A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação desde a sua criação tem o objetivo de planejar, acompanhar, incentivar e avaliar todas as atividades referentes ao ensino de pós-graduação, à pesquisa e a qualificação docente. O desafio era lançar propostas que correspondessem às características multicampi da Unioeste e observando as suas diversas áreas, àquelas que em diferentes escalas de tempo pudessem evoluir para a verticalização da Universidade focado muito fortemente no desenvolvimento regional, porém, sempre inserida no contexto nacional e internacional, promovendo a ciência e a tecnologia no Oeste e Sudoeste do Paraná. O processo de institucionalização da Pesquisa e Pós-graduação não pode ser retratado de forma isolada ou como feito heróico de uma única pessoa. Ao contrário, deve ser memorizado e revivido como um empreendimento intelectual coletivo, que contou com a participação de diversas pessoas: docentes, discentes, secretárias, técnicos administrativos, coordenadores de cursos e dirigentes. Na construção dessa história de sucesso, o trabalho de alguns docentes foi fundamental, bem como a liderança, capacidade de superação e as competências pedagógica, científica e administrativa. Entre esses docentes, merecem destaque aqueles que, de forma particular, souberam capitanear as iniciativas de consolidação e crescimento da Pesquisa e Pós-Graduação em nossa instituição, promovendo-se no contexto nacional e internacional e de forma indissociável levando consigo o nome da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. A seguir breve histórico das divisões da pro reitoria.

  • Divisão de Planejamento e Registro (DPR): 

A partir de 2014 esta divisão tem como atribuição, auxiliar diretamente na confecção e no acompanhamento da execução de todos os projetos institucionais da Pro Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação que envolve recursos financeiros, como: Finep, Pro Equipamento, PROAP, etc. O papel principal desta divisão é servir de "ponte" entre o coordenador institucional, setor financeiro da Unioeste e órgãos financiadores. Também auxilia indiretamente em projetos individuais dos pesquisadores da Unioeste, apenas para dirimir duvidas de envio e execução financeira dos respectivos projetos.

  • Divisão de Pesquisa (DVP): 

Tem como atribuição o cadastramento e acompanhamento dos grupos e projetos de pesquisa institucionais, desenvolvidos por docentes e pesquisadores da Universidade, por meio da apresentação de relatórios trienais. Esse setor ainda é responsável pela elaboração de relatórios a partir dos grupos e projetos de pesquisa cadastrados; pelo cadastro dos líderes de grupos e a certificação no diretório de grupos de pesquisa no CNPq; pela solicitação mensalmente do pagamento de Seguro de Vida aos acadêmicos em atividade de pesquisa, quando informado da necessidade; pela solicitação de emissão de portarias às Comissões de Pesquisa e Comitês de Ética, quando solicitado; entre outras atribuições. O primeiro regulamento que normatizou as atividades de Pesquisa na Unioeste foi a Resolução nº 170/95-CEPE, de 04 de dezembro de 1995, hoje já revogada. Em vigência está a Resolução nº 378/2007-CEPE, de 13 de dezembro de 2007. Os primeiros grupos de pesquisa institucionalizados na Unioeste foram: Grupo de Pesquisa em Agronegócio e Desenvolvimento Regional (GEPEC), formado em 1996, pelo Professor Pery Francisco Assis Shikida, hoje liderado pelo Professor Ricardo Rippel, ambos do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Campus de Toledo; Grupo de Pesquisa em Otimização de Sistemas Agroindustriais do Oeste do Paraná (GROSAP), formado em 1997, pelo Professor Eduardo Godoy de Souza, do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas, Campus de Cascavel; Grupo de Pesquisa em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental (RHESA), formado em 1998, pelo Professor Marcio Antonio Vilas Boas, do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas, Campus de Cascavel; Grupo de Pesquisa em Geoestatística Aplicada (GGEA), formado em 1998, pelo Professor Miguel Angel Uribe Opazo, do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas, Campus de Cascavel.

  • Divisão de Pós-Graduação Institucional (DPGI): 

Abrange o acompanhamento, apoio e supervisão geral dos cursos de pós-graduação stricto sensu (mestrado, doutorado e pós doutorado) e lato sensu (Especialização, residências, entre outros). O processo de verticalização do ensino iniciou-se com os primeiros mestrados: Engenharia Agrícola em 1997, Agronomia em 2001, Letras e Desenvolvimento Regional em 2003. Após nove anos iniciou-se a implantação dos primeiros doutorados, Engenharia Agrícola em 2006, Agronomia em 2009, Desenvolvimento Regional em 2010 e Letras em 2012. Atualmente, em funcionamento existem cerca de 30 programas de pós graduação stricto sensu, que ofertam cursos de mestrado e doutorado. Além de vários cursos lato sensu nas modalidades de especialização, residências, entre outros. Todos os cursos são gratuitos para os candidatos e vários também oferecem bolsas aos pós-graduandos, oriundas de agências de fomento federal e estadual. A incorporação do Hospital Regional à Unioeste em 2000, que foi denominado de Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), propiciou o início o processo de implantação dos cursos residência, sendo criados os primeiros cursos em 2003, contemplando 05 especialidades da Residência Médica.

  • Divisão de Capacitação Docente (DICAD): 

Fornece subsídios, orientações e encaminhamento aos Centros, Campi e HUOP das solicitações de afastamentos de docentes e agentes universitários, para o Brasil e Exterior. Analisa, controla e elabora informações em todos os processos de afastamentos. Elabora os termos de compromisso aos que estejam aptos aos afastamentos. Elabora e encaminha correspondências aos diversos setores da Unioeste, aos afastados e para órgãos externos, enfim controla toda a caminhada institucional dos professores e agentes universitários em pós-graduação, operacionalizando todo o processo através da guarda em pastas dos documentos pertinentes (processos, relatórios semestrais, matrículas, endereços, portarias de afastamento e prorrogações, faz o controle dos retornos da pós-graduação sem conclusão, elabora quadro estatísticos, participa em reuniões de planejamento da PRPPG. Coordenação e organização dos Encontros de Capacitação Docente da Unioeste.

  • Divisão de Iniciação (PIC): 

O Programa de Iniciação Científica tem como objetivo investir na orientação científica, preparando os acadêmicos para a inserção no universo científico, tanto em pesquisa básica como aplicada. Este investimento se traduz em métodos de pesquisa diferenciados, além da participação em eventos de divulgação científica, feiras de ciências, concursos, entre outros. Porém a ferramenta elementar desta linha educativa é a iniciação científica cujo propósito é comprometer o estudo acadêmico com objetivos reais voltados para o desenvolvimento da ciência. Em 20 de julho de 1988, o CNPq pronunciava-se favoravelmente à concessão de quotas institucionais de bolsas de iniciação científica, reservando, inicialmente, para esse fim, 25% do total de suas bolsas. Na Unioeste, o programa iniciou em 1993 com 21 bolsas do CNPq, 1999 com 26 bolsas da Unioeste e em 2005 com 13 bolsas pelas pela Fundação Araucária. Atualmente, a Unioeste conta com cerca de 128 bolsas do CNPq, 96 bolsas da Unioeste, 242 bolsas da Fundação Araucária, além de 169 propostas voluntárias.